sábado, 26 de dezembro de 2015

CATTULO DE CAMARGO E CAMPOS



Sou músico, produtor cultural, professor de violão, guitarra e linguagem e estrutura musical, além de diretor da Rima-Aperfeiçoamento. Estudo história e música, não necessariamente nessa ordem, e isso é assunto para outra hora. Tenho uma banda (Cordas&Rimas) que lançou o primeiro CD há pouco tempo. Tenho medo de anel, atender telefone, ônibus e tartarugas. Estudei jornalismo por algum tempo, por isso também tenho medo de parágrafos muito grandes e de textos sérios com doses de humor duvidoso.
Sou formador de opinião, pois tenho um perfil ativo no “Facebook”, e modero as páginas do Cordas&Rimas em diversas redes sociais. Moro no centro histórico de Porto Alegre, uso algumas drogas lícitas, sou destro para tocar violão e canhoto para escrever, mas não costumo expressar minhas opiniões políticas.
Gremista de carteirinha, alma e coração, sofro muito há muito tempo com futebol, e isso com certeza também é assunto para outra hora. Sou fã do Chico Buarque e do Lobão, - das músicas deles, já disse que não costumo expressar minhas opiniões políticas - e também gosto do Batman, de séries sérias, filmes reflexivos, do Porta dos fundos e de livros instigantes. Sou calculista, sagaz e portador de sabedoria e cultura inúteis. Não aceito a Coca ser vermelha e a Pepsi azul, deveria ser o contrário, e também não entendo como tem gente que consegue não gostar da capital gaúcha, a pequena grande cidade mais linda do universo.
O maior e melhor show que já assisti foi de Sir. Paul McCartney, no Gigante, e o maior show que fiz foi para cerca de dez mil pessoas, no Gigantinho. Louco, isso! No mesmo Gigante, assistirei os Rolling Stones em março próximo, e fui num jogo de Copa do Mundo. Ainda sobre multidões, já assisti Black Sabbath e Slash, e também consegui sobreviver a uma noite do Planeta Atlântida, porém nunca mais colocarei os pés lá.
Sou líder nato, felizmente, e sei desempenhar muito bem minhas funções dentro da minha banda e escola, embora já tenham dito que a mim “falta voz de comando” e que “não sei resolver meus problemas sozinho”. Bobagem! Meus resultados provam o contrário, por isso não dou importância.
Acho que transparência e ética devem estar sempre em primeiro lugar. Sou contra mentiras e situações inventadas para atrapalhar o trabalho dos outros, e estou sempre influenciando os meus alunos para que sigam essa forma de pensar e agir. Não uso metáforas nem meias palavras, indiretas jamais - ao contrário de certas pessoas - e gosto sempre de estimular a busca por esclarecimento, em tudo. No mais, respeito também é bom e mantém os dentes intactos.
Creio que esteja na hora de finalizar, mas também tenho medo de conclusões coerentes e textos com muitos parágrafos. Tenho muita história para contar e odeio rúcula.











(Arquivo pessoal)

Nenhum comentário:

Postar um comentário